Masculino também é Sagrado: existe uma dor que precisa de cura

masculino sagrado

Muito se têm falado de como a Mulher é refém da força bruta da sociedade patriarcal e sofre com isso. Esse é um tema extremamente importante e, por isso, me debruço sobre ele com dedicação e o tomo como ferramenta do meu trabalho como psicoterapeuta para que possa ajudar o maior número possível de mulheres a sair desse limbo. Mas como psicóloga, também cuido dos Homens, acredito que não é possível separar Feminino do Masculino, e temos que acabar com essa dicotomia que causa tanto sofrimento no mundo. Não só o patriarcado e não apenas o matriarcado, mas cada vez tem se falado mais em Matrística – um lugar onde o modo de vida não se pauta na hierarquia do Homem ou da Mulher, não há dominância de um lado ou de outro, mas sim cooperação mútua. Porém, hoje especialmente quero me dedicar a explorar o universo masculino, tendo como referência o belíssimo documentário “The Mask You Live In” (A máscara em que você vive).

O fato é que em um momento da nossa história como sociedade houve uma separação da essência feminina e masculina, comum em todos nós, e os homens, que constantemente são massacrados pelo seu jeito de ser (não generalizando), tiveram que enfrentar também grandes desafios e foram ensinados a incorporar certa “brutalidade”.

Enquanto a mulher foi relegada da sua importância como agente de construção social, que participava ativamente do provimento, organização e proteção dos povos, aos homens foram impostos o “poder”, a dureza, a indiferença, de forma que foram proibidos de expressar sentimentos e obrigados a deixar de lado a amabilidade, a compaixão, o cuidado e a cooperação, características da energia feminina extremamente necessárias a todos – homens ou mulheres.

Claro que isso alimentou demônios em alguns que estão intensamente desconectados dessa essência amorosa da vida, e por isso lidam com tanta indiferença com o sofrimento alheio, algo semelhante à psicopatia, quando não é. São esses que não souberam lidar com suas sombras, que acharam nessa forma de exploração um meio de realização e satisfação, o que arranca de muitos outros, na outra ponta, um sentimento de tristeza e lamentação, porque isso é o que torna o nosso mundo desequilibrado, triste e em intenso estado de sofrimento.

Ao longo do tempo, o Homem “perfeito” se tornou aquele que é bem-sucedido, o que para a nossa sociedade capitalista e patriarcal é o homem que tem uma ótima profissão, um excelente emprego, é bem remunerado, o que consequentemente lhe proporciona um carro do ano, uma bela casa e as mulheres mais lindas e perfeitamente “ajustadas” para serem exibidas como troféus.

Esse é o modelo de Homem que quase todos querem alcançar, alguém fora desse cenário é visto como fracassado. O resultado disso é que o número de Homens decepcionados com a vida, ansiosos, deprimidos e suicidas cresce cada dia mais. Pessoas que escolheram sua profissão, seu modo de vida, pensando exclusivamente em como se encaixar e serem reconhecidas e valorizadas nessa sociedade e se sentem intensamente insatisfeitas consigo mesmas por não escutarem o seu verdadeiro chamado. Mas muitas vezes não se dão conta disso!

Então, gostaria de fazer um convite para que você pense quais são as suas motivações na vida. Assista esse documentário, vale o seu tempo! Você vai descobrir que Homem “de verdade” também chora, também é sensível, reconhece a sua doçura feminina e se sente bem com isso. Às mulheres digo que também é preciso refletir e reconhecer o quanto os Homens têm sido feridos com essa pressão, com essas exigências, com essa dor que vem sendo impregnada em suas almas há séculos.

Àqueles que ainda escolhem alimentar as suas sombras, negar o feminino e explorar a Mulher, apenas damos passagem ao maior distanciamento possível, nada nos cabe nesse momento. Porém, àqueles que reconhecem a sua dor, que possamos ter um olhar de compaixão e compreensão de que todos, de uma forma ou de outra, somos vítimas de uma construção social que nos empobrece como humanos e nessa jornada podemos nos unir, apoiar e ser complacentes no processo de cura de cada um de nós! A atitude para isso depende de cada um!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s